ROTA DO ASFALTO NA ROTA DO VINHO


Ao contrário da maioria dos colecionadores, que exibem com orgulho as baixas quilometragens em seus veículos, adoro ver números rasos surgindo no hodômetro dos meus carros, mas agora é aqui no Portal AutoClassic que a respeitável marca surge, pois é, este é o artigo de número 40 da coluna e lá se vão 13 anos aqui no portal, onde tento ser fiel ao tema “viagens com carros antigos” e não haveria de ser agora que iria mudar, portanto vamos para a estrada mais uma vez, abordo de nossos queridos velhinhos fazendo seus hodômetros rodarem e acumularem histórias.  

   Depois de conduzirmos dois grupos de carros antigos e ainda voltarmos várias outras vezes à região, sempre tivemos o desejo de formar um comboio com o grupo Rota do Asfalto.

 

Pensamos em algo bem simples, privilegiando o prazer de conduzir seu automóvel por estradas bonitas, apesar dos poucos quilômetros do percurso com origem em São Paulo, o que acabou incentivando a participação de famílias inteiras, inclusive crianças e vovós.

   Localizada na cidade de São Roque, pode-se chegar à conhecida Rota do Vinho a partir da cidade de São Paulo, por duas rodovias a moderna e segura Castelo Branco ou a antiga e curvilínea, Raposo Tavares.

   Nas vezes anteriores, utilizamos a Rodovia Castelo Branco, porém por este caminho, obrigatoriamente temos que atravessar completamente a cidade de São Roque, o que sempre é um desconforto para um grupo de carros, que a cada semáforo fechado acaba se fragmentando e gerando insegurança aos que ficavam para trás, por isso decidimos que desta vez trocaríamos a moderna Castelo Branco pela tradicional e nem por isso menos segura Raposo Tavares.

   Começamos a divulgação e logo tivemos uma boa adesão, também tivemos o apoio das empresas Gauss e Arteb fornecedoras do sistema de ignição e faróis da Belina Rota do Asfalto, respectivamente, e desta vez eles nos enviaram vários brindes que seriam distribuídos entre os participantes do passeio.

Como nosso grupo é extremamente democrático, tivemos uma verdadeira miscelânea de carros, como Scala Ghia 1986; Omega GLS 1995; Jeep Renegade Trailhawk 2018; Renault Clio; Hyundai I 30 CW 2012; Voyage Plus 1986 e Puma GTB SII 1980.

   Ao todo teríamos sete carros inscritos no passeio, que seriam somados à nossa Belina (L 1988) Rota do Asfalto e ao Omega (GLS 1995) do Rapha.

   Marcamos nossa saída para o dia 19 de setembro de 2021 em um domingo que nos presenteou com muito sol.

   Reunimos o grupo logo às oito horas da manhã no bairro do Butantã, mas antes fizemos uma rápida integração em nossa oficina/garagem o que acabou se transformando em uma pequena exposição, com destaque à Puma GTC 1982 que estamos trazendo de volta às estradas através de uma restauração funcional e as miniaturas do GT Malzoni e Puma GTE, especialmente apreciadas pelos admiradores da marca que fariam o passeio conosco.

   Poucos minutos após nosso pequeno bate papo, partimos em formação a caminho da rodovia Raposo Tavares, a parcos 500 metros de onde estávamos.

   Nossa Belina tomou a frente, com o Omega do Rapha fechando o grupo. Dentro de nossos carros, levamos rádios comunicadores para garantir a segurança e organização do comboio.

   Com a gentileza esperada de um grupo de cavaleiros, os primeiros lugares foram reservados às senhoras (Belina e Scala) que ordenadamente atravessou as curvas da bonita rodovia paulista, até a entrada da cidade de São Roque, onde ingressaríamos na Rota do Vinho.

   A beleza do trecho percorrido da rodovia Raposo Tavares que ficava para trás, seria multiplicada muitas vezes a partir da Rota ou Estrada do Vinho, como também é conhecida a estrada de duplo sentido, que deve ser trafegada com muita calma para valorizar o trajeto, ladeado por árvores, vinícolas, plantações de alcachofras, restaurantes, etc.

   Alguns obstáculos do tipo “quebra-molas” dificultaram um pouco a passagem da baixa suspensão esportiva da Puma GTB, mas com a paciência e carinho do condutor, foram um a um vencidos até a chegada do ponto final do passeio, a bela Vinícola Góes.

   Com uma estrutura pra lá de boa, os carros foram sendo estacionados em formação no amplo estacionamento, se destacando da maioria dos outros carros que já estavam lá, bem mais novos em sua maioria.

   Logo que estacionamos, reunimos o grupo para fazer a distribuição dos brindes que as empresas apoiadoras do passeio, Arteb e Gauss, nos enviaram e a partir daí todos receberam orientações para aproveitar as atrações do local.

   Depois de todos conhecerem e explorarem bem a vinícola, cada carro agora equipado com seu pequeno estoque de vinhos, licores e chocolates no porta-malas, seguiu de volta para sua casa.

   Apesar de curto o passeio atingiu o que queríamos, um dia de estrada, integração e laser para toda a família, sem um roteiro neurótico e cansativo.

   Agora todos estavam prontos para uma viagem um pouco maior, que já estava se definindo em nossas mentes a partir daquele momento. 

 

 Até o próximo artigo (de número 41)

Wagner Coronado

2 Comments

  1. Leandro
    24 de novembro de 2021
    Responder

    Muito bom! Parabéns, que venham os próximos!!!

  2. Hélio Civali
    24 de novembro de 2021
    Responder

    Belo passeio, muito bem organizado… eu e minha esposa gostamos muito… e mesmo com as lombadas, o GTB também gostou bastante!!! Obrigado por nos proporcionar isso, Wagner!!!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *