A Toyota, apesar de estar no top 3 das grandes fabricantes de automóveis japonesas, sempre teve a reputação de produzir veículos competentes para meio de transporte básico.

Por outro lado, na década de 60, a Nissan tinha o Skyline, e a Honda andava a competir na Fórmula 1 e a criar motos de classe mundial. Nessa altura, a Yamaha teve a ideia de criar um desportivo, e chegou mesmo a fazer um esboço, que decidiu oferecer à Nissan.

 A Nissan não mostrou interesse e quem agarrou no projeto foi mesmo a Toyota. Foi assim que veio ao mundo o 2000 GT. Foram produzidas apenas 351 unidades, sendo que, destas, apenas 6 tiveram direito ao acabamento em amarelo “Bellatrix”.

O exemplar que vos trazemos hoje é um desses 6 e vai a leilão já em Janeiro.

Há quem chame este 2000 GT de E-type japonês. É um pouco ousado, diga-se, mas compreende-se a associação ao clássico britânico.

Para todos os efeitos, é uma peça histórica e motivo de orgulho para a indústria japonesa.

Aliás, o 2000 GT teve os seus primeiros “5 minutos de fama” pouco tempo depois de sair da fábrica, em 1967, quando foi parar às mãos de Sean Connery em 007 – Só Se Vive Duas Vezes.

É extremamente raro um 2000 GT ser leiloado. Este que vemos nas imagens é de 1967 foi comprado em 1983 pelo colecionador Craig Zinn, que o restaurou e usou no dia-a-dia durante largos anos. Só em 2008 foi vendido ao atual dono, e agora vai a leilão em 18 de Janeiro, no Arizona.

A previsão da RM Sotheby’s é que seja vendido algures entre os 600,000$ e os 700,000$ (dois milhões e 100 ou dois milhões e meio).

 

Mais informações, aqui.

 

Saudações,

Teresa Gago
Portal Autoclassic
Rio de Janeiro – Brasil

Enviar Comentário

Deixe uma resposta