Porto Alegre Fusca Clube Visita…


Neste domingo, dia 24/02,

o Porto Alegre Fusca Clube foi presença marcante no encontro da zona sul da capital, realizado na area externa da revenda Fiat San Marino, que cedeu o espaço.
 
os associados, reuniram-se no tradicional Viaduto Dom Pedro l e de lá seguiram em Fuscomboio até o lugal, surpreendendo os presentes com o apoio do clube que participou com um numero significativo de veiculos da linha vw, refrigerados a ar.
levando a frente o lema do clube : ” construindo amizades”, tao logo os veiculos estacionados e expóstos o encontro desenrolou-se num agradavel bate papo entrre amigos e velhos conhecidos apaixonados por veiculos antigos e replicas.
este encontro, acontece num local que na decada entre 50- 60, fazia parte das arquibancadas do circuito de corridas de rua de porto alegre, trazendo a muitos presentes recordaçoes de uma epoca aurea de corridas em circuitos abertos, muito conhecido como o dasafiador circuito de pedra redonda.
Na epoca era  considerado o circuito de rua mais desafiador o circuito da pedra redonda.

 Suas curvas e desníveis lançados ao longo de 15 quilômetros, localizados na região sul de Porto Alegre, tiveram durante o seu auge nos anos 50 e 60 uma espécie de tira-teima entre os ases gaúchos, que aprontavam nas Mil Milhas de Interlagos, e os paulistas sedentos por vingança nas terras do sul.lotos como Camillo Christófaro, Chico Landi, Catharino Andreatta e José Asmuz levavam em suas carreteras o orgulho regional e, de quebra, ainda enfrentavam oponentes dos países vizinhos.

O hoje impensável circuito tinha a sua largada e chegada no bairro Tristeza, entre a Av. Otto e a Delegacia da Brigada Militar. Os carros subiam pela atual Wenceslau Escobar na direção da muito perigosa descida da Pedra Redonda, a entrada do bairro Ipanema pela Av. Cel. Marcos.

Difícil imaginar o trabalho para controlar as pesadas e potentes carreteras, com freios a tambor nas quatro rodas, na íngreme descida que culmina em uma curva, até hoje problema para os motoristas do trânsito cotidiano.

Já em Ipanema seguiam em alta velocidade até a curva da caixa d’água, onde viravam para o início da subida da Av. Cavalhada, acabando em uma veloz e perigosa descida após o encontro com a Av. Eduardo Prado.

As carreteiras seguiam em descida através da Av. Cavalhada até entrar, contornando uma curva de 90 graus, na Rua Dr. Otto Niemeyer.

A parte final do circuito ocorria no perigoso encontro, também em descida, da Rua Otto com a Praça da Tristeza e a sua igreja, ali estavam novamente no ponto de largada, exatamente onde estao realizados os encontros de carros antigos da z sul, na revcenda san marino.

Durante bons anos famílias porto-alegrenses aglomeravam-se nas calçadas do seu bairro para ver as carreteiras passarem, trazendo consigo um número grande de incidentes terríveis. Com o crescimento da velocidade dos carros e da população na zona urbana, o perigo dos chocantes acidentes em vias públicas foi contornado com a inauguração de Tarumã.

As corridas pelas ruas da cidade, seja pelo Circuito da Pedra Redonda, seja pelo também desafiador Circuito da Cavalhada, ficaram na memória e em registros fotográficos, virando contos de avô para neto.

desta forma certamente é um encontro que nasce ja com sucesso garantido, trazendo a gloria do passado representada em carros antigos e na memoria de muitos presentes, no local.

Autor: Danilo Sobral

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *