Luigi – Protótipo desenvolvido por: Luiz Fernando Reis de Araujo


O carro Luigi  foi construído entre 1984 e 1989 em Petrópolis, na garagem da casa de Luiz Fernando.

Construir um carro esportivo sempre foi seu sonho e como tinha facilidade de desenho,  Luiz Fernando Reis de Araujo pode projetar com cuidado uma carroceria que seria montada numa plataforma Volkswagen, na concepção utilizada pela maioria dos construtores artesanais da época como Puma, Adamo, Mp Lafer e outros.

O desenho é inspirado nos carros esportivos da década de 60 especialmente no Jaguar E-Type e na Ferrari 275 LM. Para transformar o desenho no carro real,  Luiz Fernando construiu uma maquete em argila na escala 1/10 respeitando o desenho do projeto.

Depois Ele cortou a maquete em 24 fatias, como num salame, e as fotografou. Sabendo a largura real do chassis, projetou em ‘slides’ as fotos das fatias acertando a distancia do projetor de slides para que coincidisse a largura real do chassis com a da seção(fatia).

Depois, com base nas projeções, riscou em tamanho real cada uma das fatias em compensado naval e recortou. Tinha agora as seções, que montadas com espaçadores de madeira, reproduziam com boa aproximação o formato em 3D do carro, numa construção semelhante à de barcos onde as seções são as chamadas cavernas.

No carro de fatias (seções) de madeira,  Luiz Fernando fixou uma tela de arame com gramatura de cerca de 0,5 cm para criar as superfícies da carroceria e depois apliquei uma camada bem diluída de gesso que tampou os furos(por tensão superficial).

Aplicou ainda uma outra camada mais densa e com isso tinha agora o aspecto do carro que após lixar bastante poderia ser pintado e preparado para fazer a forma.

Daí para frente o processo é o conhecido de fôrma (negativo) e peça (positivo-carroceria).

 protótipo Luigi participando de Encontro no Rio de Janeiro em março de 2011
protótipo Luigi participando de Encontro no Rio de Janeiro em março de 2011

O carro utiliza componentes de vários carros nacionais como pára-brisas (vidro traseiro do (Chevette), armação dos vidros laterais do Opala 4 portas, maçaneta e trincos do Opala, faróis de Fusca,máquina de viro do Passat, lanternas de caminhão e setas de Rural/Karmann-Ghia. O chassis foi reforçado com um perfil em U invertido percorrendo seu perímetro .

Em 1990 o carro foi vistoriado pela FEI de São Paulo para aprovação das modificações(da Brasília 76). A FEI-Faculdade de Engenharia Industrial era na época o primeiro organismo de inspeção veicular credenciado pelo Inmetro para esse tipo de inspeção.

Luis Fernando teve de arriscar na viagem apenas com o documento da Brasília.

Fui pela Rio-Santos e demorou bastante porque o carro era mais baixo na época e a estrada tinha uma infinidade de quebra molas já na parte de SP“. (Luiz Fernando)

Luigi com seu criador - Luiz Fernando Reis de Araujo
Luigi com seu criador – Luiz Fernando Reis de Araujo

Viajei muito com esse carro eu minha esposa e três filhos que incrivelmente cabiam no carro. O maior ia sobre uma almofada entre os bancos e os dois menores iam no espaço atrás e conseguiam até dormir. Numa das viagens à Paraty, quando chegamos no hotel num dia de forte chuva a recepcionista ficou espantada de como não parava de sair gente de um carro tão pequeno. ( Luiz Fernando Reis de Araujo)

Luiz Fernando Reis de Araujo
Luiz Fernando Reis de Araujo

 

Abraço em todos,
Teresa Gago
Portal AutoClassic
Rio de Janeiro – Brasil

Enviar Comentário

Deixe uma resposta