Este Isotta Fraschini 8ª era de uso pessoal de Henrique Lage e também um dos 3 veículos da mesma marca pertencentes a família.  Gabriela também tinha um belíssimo conversível, presente do seu esposo.

Um pouco mais sobre a vida do casal Lage

Um grande empresário carioca, chamado, Henrique Lage, casou-se em 1925 com uma cantora, lírica italiana, do Teatro Scala em Milâo, chamada Gabriella Besanzoni.

Henrique Lage, casou-se com Gabriella Besanzoni em 1925
Henrique Lage, casou-se com Gabriella Besanzoni em 1925

Henrique Lage mandou construir um palacete para sua amada, no bairro do Jardim Botânico, que hoje é conhecido com: Parque Lage – uma referência para as artes no Rio de Janeiro por abrigar a Escola de Artes Visuais (EAV) desde 1966.

Na época o palacete, logo se transformou em palco de reuniões sociais e muitos sarais.

Parque Lage - uma referência para as artes no Rio de Janeiro
Parque Lage – uma referência para as artes no Rio de Janeiro

Em 1941, Henrique Lage faleceu, deixando Gabriela Besanzoni uma viúva “rica” e sem filhos.

Consta que ela acabou retornando à Itália, onde passou a lecionar canto, vivendo entretanto uma vida bem mais modesta.

Gabriella Besanzoni faleceu em 1962, em sua terra natal.

Abaixo confira o vídeo que conta um pouco do Casal Lage.

 Sobre a trajetória do Veículo Isotta Fraschini

Depois que Brasil declarou guerra a Italia, suspeitava-se que Gabriela era uma espiã do fascismo. e foi acusada. Devido a isto, o Governo começou a confiscar todas as empresas de Henrique Lage que veio a falecer de desgosto em 1941 aos 56 anos.

Retrato fotográfico de Henrique Lage, datado e assinado de próprio punho
Retrato fotográfico de Henrique Lage, datado e assinado de próprio punho

 

Nota interessante: No dia 14 de março de 2018, o Museu Histórico Municipal de Imbituba, conhecido como Museu Usina, recebeu no último mês uma doação rara para seu acervo: o retrato fotográfico de Henrique Lage, datado e assinado de próprio punho. O quadro pertenceu ao Dr. João Rimsa, diretor gerente da Indústria Cerâmica de Imbituba – ICISA, e foi doado ao prefeito de Rosenvaldo da Silva Júnior, pela sobrinha de Rimsa, Margarita Aldona Miniauskas Beleskevich.

 

Em 1941, logo depois do falecimento de seu marido, Gabriela foi embora para Santa Catarina levando todos os carros da família.

Este Isotta Fraschini 8ª de 1925, ficou abandonado por um tempo e no final dos anos 40, um engenheiro, deste estado (SC) chamado, Leopoldo Boltmann, comprou o veículo pois teve a visão (futura) do valor do automóvel, tanto pelo tipo de sua carroceria quanto, mecanicamente.

Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento - 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro
Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento – 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro

Observação: A  marca, Isotta Fraschini foi a primeira empresa a ter construído um motor de 8 cilindros em linha e o primeiro carro a ter freio nas 4 rodas. Na época, todos os veículos inicialmente tinham freios nas rodas de transmissão (as traseiras) e esta marca inovou colocando freios na dianteira.

Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento - 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro
Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento – 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro

 Continuando…

Apesar de ter consciência sobre o valor e a importância do veículo o engenheiro, Boltmann não investiu numa restauração e posteriormente quem comprou o veículo no inicio do movimento do “Antigomobilismo” foi Eduardo Matarazzo.

Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento - 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro
Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento – 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro

Matarazzo construiu uma oficina de restauração em sua casa da Avenida Paulista, onde restaurou o Isotta Fraschini 8ª no final dos anos 50 inicio 60.

observação 2:

No final dos anos 40, início dos anos 50, Juntos os pioneiros: Angelo Martinelli e Roberto Lee, incentivaram Eduardo Matarazzo, irmão de Maria Pia e a mesma era mulher do Roberto Lee a seguir o movimento antigomobilista no Brasil.

Eduardo abraçou o Hobby de tal forma que acabou fundando um museu na cidade de Bebedouro.

Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento - 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro
Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento – 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro

O automóvel ficou mais de 30 anos no museu Museu de Armas, Veículos e Máquinas Eduardo André Matarazzo, mais conhecido como Museu do Automóvel das antiguidades mecânicas. Este museu possuía inclusive, aviões, locomotivas, tratores etc.

Em 1984 houve uma enchente na cidade de Bebedouro.  Eduardo Matarazzo ficou desgostoso com o acontecido, vendendo vários carros e também o Isotta Fraschini 8ª  para Walter La Pietra.

Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento - 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro
Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento – 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro

O Isotta Fraschini 8ª  quando foi comprado era bordô, Mas Walter o pintou de amarelo….

Para se ter uma ideia da raridade deste veículo, em determinado ano no evento do Veteran Car De Belo Horizonte (Instituto Cultural Veteran Car MG) – Brazil Classics Show, em Minas Gerais, ele ganhou mesmo sem funcionar(Segundo informações obtidas), pois  a comissão julgadora abriu uma exceção.

Posteriormente, um grande colecionador de Belo Horizonte, comprou o automóvel e realizou esta primorosa restauração, como mostra as fotos.

Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento - 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro
Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento – 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro

Observem as fotos abaixo, pois gostaria de dar uma atenção especial para o Interessante ornamento do capot deste Isotta Fraschini 8ª  que chamamos de Lalique – a águia de cristal. Realmente um automóvel belo e muito valioso.

 

Existem 4 Isottas Fraschini no Brasil, porém, vieram 25, segundo pesquisas realizadas. Os 4 remanescentes são: este do artigo, o outro da Gabriela Benzanzoni, que foi presente do Henrique Lage, um outro  4 portas conversível com motor mais esportivo e que hoje está com um colecionador do interior de São Paulo.

Em relação ao outros 2 Isottas, 1 deles está com Malcolm Forest, colecionador e pesquisador da marca. O  veículo está em restauro, possui 2 portas, sport.

O quarto Isotta remanescente no Brasil é um automóvel com grande nível de originalidade. Foi comprado zero pelo aviador:  João Ribeiro de Barros.

Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento - 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro
Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento – 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro

Vale mencionar que este piloto fez uma travessia pioneira, em um avião, JAU Anfíbio cuja os motores aeronáuticos eram Isotta Fraschini. Este último, foi comprado pelo grande colecionador, Claudio Romi que mora nos Estados Unidos.

A restauração de um Isotta Fraschini é algo complicado pois a dificuldade para encontrar peças é muito grande.

Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento - 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro
Isotta Fraschini 8ª premiado no Evento – 2° Village Classic Cars, no Rio de Janeiro

 

Fico por aqui… Espero que tenham gostado desta história… Em breve, trarei outras histórias para vocês.

 

Saudações,
Emílio Gianelli

2 Comentários

  1. João Miguel
    17 de março de 2018

    Sugiro corrigir: Eduardo Matarazzo era irmão de Maria Pia e a mesma era mulher do Roberto Lee

    • 19 de março de 2018

      Boa, João Miguel!!!

      Muito obrigada pela correção.

      Saudações,
      Teresa Gago
      Portal AutoClassic
      Rio de Janeiro – Brasil

Deixe uma resposta